Está aqui

" Cascais é um concelho mais seguro" concluem Comissões Municipais de Proteção Civil e de Defesa da Floresta

Cascais, em matéria de proteção civil, pode ser considerado um concelho pioneiro, quer na prevenção e combate de incêndios, quer nas medidas em execução para mitigar os riscos de catástrofes naturais e provocadas pelas alterações climatéricas, o que o torna um dos mais seguros do país. Estas foram as conclusões das reuniões da Comissão Municipal de Proteção Civil e da Comissão Municipal da Defesa da Floresta que tiveram lugar esta quinta-feira, 7 de dezembro, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Cascais.

Se vive em Cascais saiba que é das zonas do país onde a Proteção Civil tem vindo a mostrar uma evolução mais positiva nestes últimos anos, no que se refere ao combate aos incêndios e à mitigação de riscos de catástrofes naturais, como sismos e tsunamis. Os números são reveladores do muito que se tem feito nesta área. Pois, ao contrário do que se verificou no resto do país, 2017 foi o ano em que se registaram menor número de ignições de fogos e a menor área ardida de sempre – 4,5 hectares, na sua maioria mato.

Isto só é possível graças a uma conjugação e coordenação de esforços de todas as entidades envolvidas na prevenção e combate de incêndios florestais. Um trabalho que tem vindo a ser feito há uns anos a esta parte e que está agora a mostrar resultados que se traduzem numa maior sensibilização da população para o risco de incêndios e para a proteção da floresta, numa maior informação sobre os condicionantes do uso de fogo na época critíca, assim como, uma maior visibilidade e interesse pela área protegida do Parque Natural Sintra-Cascais e pelo nosso Património Natural em geral que representa 1/3 da área do concelho.

A vigilância é também um dos fatores cruciais para a tónica da prevenção que é a aposta fundamental que resulta na diminuição drástica da área ardida nestes últimos anos. Neste campo registo para as ações de vigilância e prevenção levadas a cabo pelo exército, sobretudo no período noturno; para as ações de planeamento e gestão florestal que se traduzem na limpeza e reflorestação do espaço natural, na limpeza das faixas laterais de 10 metros ao longo das estradas, na gestão de combustíveis florestais nas faixas de envolvência de edificações e aglomerados urbanos e noarranjo dos caminhos florestais, entre outras.