CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

Jovens sensibilizados para as consequências das alterações climáticas no meio marinho

Esta segunda-feira, alunos da Escola Secundária da Cidadela, trocaram a sala de aula pelo Laboratório Marítimo da Guia. O objetivo foi aprender mais sobre as consequências das alterações climáticas no meio marinho. Uma das muitas ações desenvolvidas no âmbito do Programa de Educação e Sensibilização Ambiental, desenvolvido pela Cascais Ambiente, em parceria com os investigadores daquele laboratório.

Sabia que o polvo consegue aprender coisas não relacionadas com o seu habitat, como abrir um frasco de vidro? E que cooperam com as outras espécies marinhas na caça às presas? Que as enguias são uma espécie em vias de extinção? Ou, que o olfato do tubarão pata-roxa é extremamente afetado pelas alterações climáticas, o que pode leva-lo à extinção? Ou, ainda que existem peixes tropicais que limpam outros peixes (os chamados peixes limpadores) e que são fundamentais para a saúde dos corais? E que os limpadores sofrem graves alterações cognitivas perante ondas de calor no meio ambiente tropical?

Estas e outras curiosidades do meio marinho foram tema de conversa entre os alunos a frequentarem o 10º ano da Escola Secundária da Cidadela e o grupo de investigadores que estudam as alterações climáticas e as suas consequências no meio marinho, liderado por Rui Rosa, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.     

Os jovens tiveram, assim, a oportunidade de ver algumas das experiências que os investigadores estão a levar a cabo no Laboratório Marítimo da Guia com diversas espécies marinhas, entre as quais, polvos, enguias, peixes tropicais e tubarões costeiros.

As consequências das alterações climáticas, das ondas de calor e da acidificação dos mares no ecossistema marinho são dramáticas e foram algumas dessas conclusões que os investigadores apresentaram aos jovens.

“Nunca imaginei que as coisas fossem tão más”, exclamou Micaela Luca, uma das jovens mais atentas do grupo e uma das que colocou mais questões aos cientistas.

A aluna do 10º ano de Economia ficou também surpreendida por a enguia-europeia ser uma espécie ameaçada, sobretudo, devido à pesca e ao comércio ilegais, a presença de barragens e as alterações climáticas. E que como resultado, agora chegam às costas da Europa só 8% das enguias-europeias que vinham no início dos anos 80.  

“Acho muito importante estas ações práticas porque assim retemos mais do que a matéria teórica dada na sala de aula e ficamos mais alertados para os perigos do que está a acontecer ao ambiente”, acrescentou Micaela.

Outra das experiências que mais interesse despertou nos jovens foi a dos tubarões para-roxa, cujo comportamento e metabolismo está a ser monitorizado com o aumento da temperatura. “Não sabia que existiam tubarões na nossa costa”, exclamou um dos jovens, ao que a cientista explicou que são animais noctívagos, caçam de noite e estão inativos de dia, pelo que não se avistam com frequência, “Ah, mas são inofensivos”, garantiu a investigadora.

“ Sabemos já que o aumento da temperatura provoca um impacto nas células sanguíneas com diminuição do sistema imunitário, assim como a diminuição no olfato que nestes animais é imprescindível para a sua sobrevivência”, alertou a investigadora do MARE (Centro das Ciências do Mar e do Ambiente).

O Programa de Educação e Sensibilização Ambiental, promovido pela Cascais Ambiente, já existe desde 2007 e desde a sua criação já levou a cabo cerca de mil ações de sensibilização para as consequências das alterações climatéricas, abrangendo 25.000 alunos das escolas de Cascais. Sendo a pareceria com os investigadores do Laboratório Marítimo da Guia que pertence ao MARE (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente), a vertente prática do programa que também decorre em sala de aula.

 “Damos muita relevância à aprendizagem prática porque é esta que os jovens mais retêm e depois passam aos amigos e família”, afirmou Ana Cristina Rodrigues, coordenadora do Gabinete de Educação e Sensibilização Ambiental de Cascais.

Para saber mais sobre os impactos das alterações climáticas nos ecossistemas marinhos, designadamente o aquecimento, acidificação e redução dos níveis de oxigénio dos oceanos, pode ver a exposição que estes investigadores apresentam no Museu do Mar (até julho).  

 

 

Cascais Digital

360_146x65mobi_146x65loja_146x65geo_146x65ambiente_146x65-01cultura_146x65jovem_146x65participa_146x65fix_146x65my_146x65