CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

Quando a vida ainda nos surpreende

“Nós e os outros”, programa da autarquia que trabalha a área emocional e social da população sénior.

Há momentos em que os outros enriquecem as nossas vidas apenas porque passamos a ser nós e os outros. É esta a perspetiva de Sofia Cruz, técnica do Centro Comunitário de Tires, relativamente ao programa “Nós e os Outros”, um programa que trabalha a parte emocional e social de um punhado de seniores.

“Se não tivesse vindo para este programa, não sei…” confessa Vitória Gomes, ou Cristina Dias que garante ter sido arrancada do isolamento da casa e levada para o programa pela mão da filha. Apenas dois testemunhos, mas exemplos que se vão multiplicando. Vidas de cerca de centena e meia de pessoas que frequentaram este programa, “Nós e os Outros”.

Durou exatamente 12 meses o suficiente para que se quebrassem silêncios, se abandonassem lugares de refúgio e cada um destes participantes fosse ao longo do programa lançando as suas vidas passadas numa mesa redonda, uns perante os outros, olhos nos olhos.

“Habitualmente trabalhamos a parte física e esquecemo-nos da parte emocional. Neste programa trabalhamos a área da psicologia emocional e social, importante em qualquer idade das nossas vidas”, explica Liliana Guerra, técnica da Associação Social de Manique de Baixo.

Um programa, lembraria Mónica Santos, técnica da Estima Mais, que também tem o condão de “despertar os participantes para as suas próprias competências”, aquelas que foram adquirindo ao longo da vida e que, de repente, vêem recuperadas. Dez instituições, centena e meia de participantes, 30 sessões percorrendo cinco módulos: Autoestima; Treino e Estimulação Cognitiva; Educação Emocional; Relações Interpessoais e Conflitos; Psicologia Positiva.

“Ficamos a conhecer histórias de lutas, de vitórias que nos passavam completamente ao lado”, refere Liliana. A de Vitória Gomes, por exemplo: “Perdi um filho e não tem sido fácil… se não tivesse vindo para este programa não sei o que seria da minha vida…”, desabafa; ou a vitória de Lídia Raposo: “… até aos sessenta e dois anos só falava o mínimo. Em casa respondia às perguntas que me faziam, era uma pessoa acanhada, envergonhada, complexada”. E agora, perguntamos-lhe? “Àh…! Agora há mil caminhos, não sei se vou para esquerda se vou para a direita” gargalha. Em suma “um programa que nos torna mais humanos, se é que isso é possível”, conclui Liliana.

Veja aqui as organizações aderentes à Plataforma de qualificação dos Centros de Convívio, Espaços-Academias-Universidades Seniores

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisccbanner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais