CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

Quinta do Pisão recebe exposição sobre Aves Ripícolas

Até 31 de agosto, saiba mais sobre estas aves tão comuns na Quinta do Pisão.

A Casa da Cal, na Quinta do Pisão, está a ser invadida por Aves Ripícolas (no bom sentido!). É que, a partir de 5 de abril e até 31 de agosto, quem por lá passar vai poder ficar a conhecer algumas destas aves típicas das zonas ribeirinhas e residentes na Quinta do Pisão, assim como participar em palestras e workshops relacionados com a temática.

As galerias ripícolas são as faixas que ladeiam rios e ribeiras, com vegetação e animais característicos e onde existe uma dinâmica direta entre os ecossistemas aquáticos e terrestres. A sua largura, composição florística e estrutura da vegetação determinam a comunidade de aves que usufruem desta zona. Alterações nestas galerias - devido, por exemplo, à agricultura - influenciam fortemente a comunidade de aves presente.

A Galinha d’água (Gallinula chloropus), o Galeirão (Fulica atra), o Mergulhão pequeno (Tachybaptus ruficollis), a Garça-real (Ardea cinerea), o Pato-real (Anas platyrhynchos), o Rouxinol-bravo (Cettia cetti) e o Bico-de-lacre (Estrilda astrild) são algumas das espécies residentes e regulares nas linhas de água, ao longo do ano, na Quinta do Pisão.

Para mais informações e inscrições contacte: 21 581 17 50 ou atividadesnatureza@cascaisambiente.pt

Curiosidades sobre espécies que frequentam a zona ripícola:

Pato-real

  • Entre a época de nidificação e o inverno, o macho perde as penas coloridas e adquire uma plumagem “eclipse” mais pálida, semelhante à da fêmea.
  • Consegue voar a velocidades de até 80km/h
  • Põe ovos brancos esverdeados e assim que as crias eclodem a mãe orienta-as para a água e começam a nadar.

Garça-real

  • As Garças-Reais foram em tempos consideradas um petisco requintado entre o povo de pescadores Mohana de sind no Paquistão. Nesta zona engordavam as aves enquanto as mantinham atadas por uma perna em águas pouco profundas.
  • A Garça Real voa com o pescoço pressionado contra o corpo em forma de S.
  • A Garça Real pode engolir peixes grandes inteiros

Guarda-rios

  • De acordo com um mito medieval, o Guarda Rios costumava ser cinzento, mas após o Dilúvio, voou contra o sol para chegar ao céu e evitar as águas. Foi por isso que ficou com o peito queimado de laranja e as costas ficaram azuis como o céu.
  • 60% da sua dieta é composta por peixe miúdo.
  • A construção de barragens diminui bastante o seu habitat.
  • Faz mergulhos para pescar com o seu bico até 25cm abaixo da superfície do rio.

Maçarico

  • As lendas das Terras altas e das ilhas da Escócia associam o seu chamamento à tristeza. O nome galês do maçarico é guilbhorn que significa “triste lamento”.
  • Os chamamentos destas aves eram considerados “gritos da Natureza” que tentavam as pessoas a aventurarem-se e lhes lembrava a tristeza em cada coração humano.
  • O maçarico usa o seu bico para retirar da lama petiscos saborosos.

Galinha d’ água

•     Os seus dedos bastante compridos permitem que caminhe sobre a vegetação flutuante. 

  • Pode ser bastante discreta, sobretudo em cursos de água de pequena dimensão com vegetação densa onde se reproduz. O seu ninho é coberto e é bem escondido na vegetação densa. Qualquer época do ano é boa para a observação da galinha-d’água na lagoa pequena da Quinta do Pisão. 

Rouxinol

  • De acordo com uma fábula europeia, o rouxinol canta sempre em sobressalto. A história conta que a ave tinha originalmente apenas um olho que tinha roubado da cobra-de-vidro-comum. Desde então, a cobra procura o rouxinol para se vingar e a ave canta assim para se manter acordada.
  • A magnífica canção do rouxinol macho soa como uma flauta e é variada, composta por frases.

(SJ/CMC)

Cascais Digital

linha_146x65_1360_146x65mobi_146x65_0loja_146x65geo_146x65ambiente_146x65-01_2cultura_146x65_0jovem_146x65_0participa_146x65_0fix_146x65