CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

COVID-19 | Apoio às pessoas e famílias

Cascais está decidido a proteger os seus mais de 210 mil habitantes da melhor forma que sabe e consegue. Nesse sentido, o reforço de medidas de proteção e apoio são a nossa prioridade. É importante que cada cidadão se sinta apoiado e saiba quais as medidas adotadas a nível local e nacional. Desde a primeira hora que Cascais está em Coordenação com os Presidentes da Área Metropolitana de Lisboa para que as medidas sejam, tanto quanto possível transversais a um espaço que também é transversal.

Nesta página reunimos toda a informação possível para que saiba que estamos empenhados e a implementar o máximo de medidas no terreno. Divulgamos também, nos separadores abaixo, quais as medidas legais e apoios nas diversas áreas a que os cidadãos enquanto trabalhadores por conta de outrem ou profissionais liberais, ou em qualquer outra situação devem ter em conta.

Estamos aqui para Apoiar - Flexibilizar - Agilizar - Proteger

Medidas de apoio à pessoa individual do município de Cascais:

Acesso prioritário a serviços
 Implementação de horários de abastecimento prioritários para cidadãos maiores de 65 anos e cidadãos que com funções profissionais de Primeira Linha (aqueles que não podem deixar de trabalhar para garantir a segurança dos outros)

Alojamento a profissionais de Saúde
 Alojamento dos profissionais de saúde em Hotéis (mediante indicações do Hospital de Cascais e ACES Cascais)

Apoio social
 Lançamento de campanha de apoio aos idosos - auxílio nas compras, farmácia e combate ao isolamento;
 Dois Centros Sem-Abrigo em funcionamento com alimentação e higiene. Os que têm animais de companhia não são separados dos mesmos;
 Acolhimento dos animais das pessoas sem-abrigo e dos profissionais de saúde que estão na linha da frente pela Associação São Francisco de Assis;

Economia
 Pacote de medidas estímulo económico: em preparação;
 Criação de fundo de emergência superior a 5 milhões de Euros;
 Linha de Apoio Empregabilidade

Educação

 Acolhimento de crianças filhos de trabalhadores de serviços especiais e essenciais;

Espaço público
 Desinfeção por todo o Concelho de Cascais já em marcha;
 Aeródromo  e Marina de Cascais encerrados;
 Obras municipais suspensas;
 Reforço de fiscalização em todo o território de Cascais;

Mobilidade
 Extensão da gratuidade dos transportes públicos.
 Parquímetros sem pagamento;

Saúde
 Montagem da mega operação Centros de Triagem Covid-19 por prescrição em coordenação com as Autoridades de Saúde; em andamento;
 Testes de despiste do COVID-19 efetuados no Centro de Congressos do Estoril e nas novas instalações da CERCICA em Rana abrangendo todas as Freguesias do Concelho de Cascais.
 Material de proteção a chegar: Ventiladores encomendados; Gel desinfetante, máscaras, luvas e equipamentos a caminho;
 Acolhimento de todos os infetados com a dotação de 1300 camas de quarentena;

Teletrabalho
 2/3 dos Recursos Humanos da Câmara e Empresas Municipais em Teletrabalho em casa;
 Disponibilidade de apoio de empresários para fornecimento de serviços, apoio, equipamento;

ALÉM DESTAS MEDIDAS LOCAIS, SAIBA QUAIS AS MEDIDAS DE CONTINGÊNCIA ADOTADAS PELO XXII GOVERNO CONSTITUCIONAL (consulte os separadores abaixo):

TeletrabalhoIsolamento profiláticoTrabalhadores Independentes
Teletrabalho
TELETRABALHO OBRIGATÓRIO
 
 Enquanto vigorar o Estado de Emergência é obrigatória a adoção do regime de teletrabalho, independentemente do vínculo laboral, sempre que as funções em causa o permitam.
 
 Os trabalhadores da Administração Pública deverão ficar em regime de teletrabalho, desde dia 16 de março, sempre que as funções que exercem o permitam. Para mais informações relativas aos trabalhadores da Administração Pública, consulte a informação disponível aqui.
Isolamento profilático
DIREITOS EM SITUAÇÃO DE ISOLAMENTO PROFILÁTICO
 
Muitas são as questões que se colocam aos cidadãos de Cascais no contexto das diferentes relações laborais em que se encontra. Abaixo encontra perguntas frequentes e respostas que visam ajudar a garantir o respeito pelos direitos dos cidadãos em situação de isolamento profilático.
 
1. Encontro-me em isolamento profilático. Tenho direito a um subsídio por por parte da Segurança Social?
Sim. Se um trabalhador se encontrar impedido temporariamente de exercer a atividade profissional, por determinação da Autoridade de Saúde, por perigo de contágio pelo COVID-19, tem direito a receber algum subsídio. 
IMPORTANTE: Para ter direito  ao  pagamento  de  um  subsídio  correspondente a 100% da sua remuneração de referência, enquanto durar o isolamento, isto é até 14 dias, precisa de uma declaração de isolamento profilático emitida pela Autoridade de Saúde (Delegado de Saúde)
 
1.1. Como é emitida a declaração da situação de isolamento profilático?
A declaração é emitida pela Autoridade de Saúde (Delegado de Saúde) para cada trabalhador que deva ficar em isolamento profilático. O  modelo  está  disponível  em  www.seg-social.pt e  em  www.dgs.pt,  e  substitui  o  documento  justificativo  de  ausência ao trabalho.
 
1.2. Qual é a Autoridade de Saúde competente?
A Autoridade de Saúde (também conhecido como Delegado de Saúde) é o médico, designado em comissão de serviço, a quem compete a decisão de intervenção do Estado na defesa da Saúde Pública (art.º 3.º do DL 82/2009, com a nova redação DL n.º135/2013, de 4/10).
 
1.3. Como se desencadeia o processo para que uma pessoa tenha de ficar em isolamento profilático?
O trabalhador deve entrar em contacto com a autoridade de saúde, sendo posteriormente o processo desencadeado por esta autoridade competente (com jurisdição na área de residência oficial da pessoa).
 
1.4. Quem envia a declaração? E para onde?
O trabalhador deve enviar a declaração de isolamento profilático emitida pela Autoridade de Saúde à sua entidade empregadora, e esta deve remetê-la à Segurança Social no prazo máximo de 5 dias.
 
1.5. A declaração da Autoridade de Saúde é uma baixa médica?
Não. A Declaração que atesta a necessidade de isolamento substitui o documento justificativo da ausência ao trabalho para efeitos de justificação de faltas e de atribuição do subsídio, durante o período máximo de 14 dias de isolamento profilático, bem como para eventual atribuição do subsídio por assistência a filho ou a neto, no caso de estes ficarem em isolamento profilático.
 
1.6. Como se processa o pagamento do subsídio por isolamento profilático?
Nas mesmas datas em que são efetuados os pagamentos do subsídio de doença, ou seja, o subsídio é pago a partir do primeiro dia de isolamento. A atribuição do subsídio por isolamento profilático não está sujeita a período de espera.
 
1.7. Se for decretado isolamento profilático, mas existirem condições para trabalhar em regime de teletrabalho, ou recorrendo a ações de formação à distância, há direito ao subsídio equivalente ao subsídio de doença?
Não.  Se o trabalhador continua a prestar trabalho em regime de teletrabalho, continua a receber a sua remuneração habitual, paga na totalidade pela entidade empregadora.
 
1.8). Sou trabalhador(a) com vínculo de emprego público; que direitos tenho em caso de isolamento profilático?
Aos trabalhadores com vínculo de emprego público continua aplicável o regime de falta por isolamento profilático, o qual não determina a perda de remuneração.
 
2. Subsídio de doença:
 
2.1. Quem contrair a doença tem direito a receber algum subsídio por parte da Segurança Social?
Sim. Se tiver um certificado de incapacidade temporária para o trabalho (a chamada “baixa médica”).
 
2.2. Qual o valor do subsídio que se recebe no caso de contrair a doença?
Duração da  doençaRemuneração  de referência:
Até 30 dias55%
De 31 a 90 dias60%
De 91 a 365 dias70%
Mais de 365 dias75%

2.2.1. A atribuição de subsídio de doença está sujeita a período de espera?

Não. A atribuição de subsídio de doença aplica-se desde o primeiro dia.

2.2.2. Qual a remuneração de referência a considerar?
A remuneração de referência a considerar é definida por R/180, em que R representa o total das remunerações registadas nos primeiros seis meses civis que precedem o 2.º mês anterior ao mês em que teve início a incapacidade temporária para o trabalho.
 
2.2.3. Se o trabalhador estiver em isolamento profilático, mas contrair doença antes do prazo dos 14 dias de isolamento, passa a receber 55% da remuneração de referência?
Sim.  Sempre  que  se  verificar  que  a  pessoa  ficou  doente,  e  for  emitido  um  certificado  de  incapacidade temporária (CIT) este substitui a declaração de isolamento profilático e aplica-se a lei em vigor. Ou seja, o trabalhador deixa de receber o subsídio por isolamento profilático e passa a receber o subsídio de doença, nos termos definidos pela lei.
 
3. Subsídios de assistência a filho e a neto:
 
3.1. Se tiver de faltar ao trabalho para prestar assistência a filho ou a neto (seja em isolamento profilático, seja por doença), há direito a receber algum subsídio por parte da Segurança Social?
Sim. Durante os dias em que não trabalhar para prestar assistência a filho ou a neto, o trabalhador tem direito a receber o respetivo subsídio, o qual deve ser requerido preferencialmente na Segurança Social Direta (SSD).
 
3.1.1 Qual o valor do subsídio para assistência a filho e/ou neto?
Até à entrada em vigor do Orçamento do Estado (OE) para 2020, o montante diário do subsídio por assistência a filho corresponde a 65% da remuneração de referência.  Após a entrada em vigor  do  OE  2020,  o  montante  diário  do  subsídio  para  assistência  a  filho corresponderá a 100% da remuneração de referência, mantendo-se em, 65% o valor do subsídio por assistência a neto.
 
3.2. Como deve ser feito o requerimento para atribuição do subsídio para assistência a filho e do subsídio para assistência a neto?
O requerimento  deve ser efetuado preferencialmente na Segurança Social Direta, anexando cópia da declaração de isolamento profilático emitida pela Autoridade de Saúde.
 
4 . Direitos no contexto da suspensão das atividades letivas e não letivas:
O Governo decretou, com início a 16 de março e reavaliação a 9 de abril de 2020, a suspensão das atividades letivas e não letivas e formativas com presença de estudantes em estabelecimentos de ensino públicos, particulares e cooperativos e do sector social e solidário de educação pré-escolar, básica, secundária e do ensino superior.
 
5. Trabalhadores por conta de outrem:
 
5.1. Tenho filho(s) menor de 12 anos e vou ter de ficar em casa para o(s) acompanhar. As faltas ao trabalho são justificadas?
Sim, as faltas são justificadas, desde que não coincidam com as férias escolares, conforme fixado nos anexos II e IV ao Despacho n.º 5754-A/2019, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 115, 18 de junho.
 
5.2. E se o meu filho for maior de 12 anos?
Se o seu filho for maior de 12 anos, apenas tem direito à justificação de faltas e ao apoio se o mesmo tiver deficiência ou doença crónica.
 
5.3. Durante quanto tempo terei direito a este apoio?
Durante o período em que for decretado o encerramento da escola, exceto se coincidir com férias escolares, de acordo com o fixado nos anexos II e IV ao Despacho n.º 5754-A/2019, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 115, 18 de junho. 
 
5.4. Os dias para assistência a filho durante o encerramento das escolas são contabilizados nos 30 dias disponíveis para assistência a filho?
Não. As faltas ao trabalho durante o encerramento das escolas e equipamentos sociais de apoio não são consideradas nos termos do regime geral de faltas para assistência a filho previsto no artigo 49.º do Código do Trabalho e, como tal, não são contabilizadas para o limite máximo de 30 dias por ano para assistência a filho.  
 
5.5. Que tipo de apoio financeiro posso ter?
Tem direito a um apoio financeiro excecional correspondente a 2/3 da sua remuneração base, sendo a mesma suportada em partes iguais pela entidade empregadora e pela Segurança Social. Este apoio não é concedido aos trabalhadores que estejam a desempenhar a sua atividade profissional em regime de teletrabalho durante o encerramento das escolas e tem um limite mínimo de uma RMMG e máximo de 3 RMMG.
 
5.6. Quem me vai pagar o apoio financeiro?
Quem paga o apoio excecional ao trabalhador é a sua entidade empregadora. Como o apoio é suportado em partes iguais pela entidade empregadora e pela segurança social, a parcela respeitante à segurança social é entregue à entidade empregadora e é esta que paga a totalidade ao trabalhador.  
 
5.7. Como posso pedir o apoio financeiro?
O trabalhador deve comunicar à entidade empregadora o motivo da ausência através de formulário próprio disponível no portal da Segurança Social. Depois, o apoio excecional é pedido pela entidade empregadora, que terá de atestar junto dos serviços da Segurança Social não haver condições para outras formas de prestação de trabalho, nomeadamente, o teletrabalho.  
 
5.8. O que deve fazer a Entidade Empregadora, para que o trabalhador receba este apoio financeiro?
A entidade empregadora requer o apoio através de formulário online a disponibilizar na Segurança Social Direta.
 
5.9. Sobre o valor do apoio são devidas contribuições e quotizações para a segurança social?
Sim. O trabalhador paga a quotização normal de 11% sobre o valor total do apoio. A entidade empregadora suporta 50% da contribuição que lhe cabe pelo total do apoio.
 
5.10. Se o meu filho ficar doente durante o período de encerramento das escolas, recebo alguma coisa?
Sim, se durante o encerramento da escola decretado pelo Governo, a criança ficar doente suspende-se o pagamento da prestação excecional de apoio à família e aplica-se o regime geral de assistência a filho.
 
5.11. O regime da assistência a filho, no âmbito do isolamento profilático, aplica-se no encerramento das escolas?
Sim, se, durante o encerramento da escola decretado pelo Governo, a criança ficar em situação de isolamento profilático decretado pela autoridade de saúde, aplica-se o regime previsto para estes casos, suspendendo-se o pagamento da prestação excecional de apoio à família.
 
5.12. As empresas podem recusar que um trabalhador preste teletrabalho, mesmo que seja uma função compatível com essa prestação à distância?
Não, durante a vigência destas medidas, o teletrabalho pode ser determinado unilateralmente pelo empregador ou requerido pelo trabalhador, sem necessidade de acordo, desde que compatível com as funções exercidas.
 
5.13. O meu cônjuge está em casa em teletrabalho. Posso beneficiar do apoio excecional à família durante o encerramento das escolas?
Não. No caso de um dos progenitores estar em teletrabalho durante o encerramento das escolas o outro não pode beneficiar deste apoio excecional.
 
6. Trabalhadores independentes
 
6.1. Sou trabalhador independente. Que tipo de apoio financeiro posso ter?
Como trabalhador independente, pode ter um apoio financeiro excecional no valor de um terço da base de incidência contributiva mensualizada referente ao primeiro trimestre de 2020. 
 
Para um período de 30 dias, os limites são os seguintes:
. Mínimo – 438,81€  (valor do Indexante de Apoios Sociais - IAS)
. Máximo – 1.097,03€ (valor de 2,5 IAS);
 
6.2. Sou docente em regime de trabalho independente num estabelecimento de ensino que fechou. Tenho direito ao apoio excecional?
Se o período de encerramento do estabelecimento de ensino for inferior a um mês, o apoio excecional é reduzido.
 
6.3. Durante quanto tempo terei direito a este apoio?
Durante o período em que for decretado o encerramento da escola, exceto se o mesmo coincidir com férias escolares, de acordo com o fixado nos anexos II e IV ao Despacho n.º 5754-A/2019, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 115, 18 de junho.
 
6.4. Como é requerido o apoio financeiro excecional?
O apoio é requerido pelo próprio trabalhador através da Segurança Social Direta, em formulário próprio.
 
6.5. O regime da assistência a filho, no âmbito do isolamento profilático, aplica-se no encerramento das escolas?
Sim. Se durante o encerramento da escola decretado pelo Governo a criança ficar em situação de isolamento decretado pela autoridade de saúde, aplica-se o regime previsto para estes casos, suspendendo-se o pagamento da prestação excecional de apoio à família, e aplica-se o regime geral de assistência a filho.
 
6.7. Se o meu filho ficar doente durante o período de encerramento das escolas, recebo algum apoio?
Sim. Se durante o encerramento da escola decretado pelo Governo, a criança ficar doente suspende-se o pagamento da prestação excecional de apoio à família e aplica-se o regime geral de assistência a filho.
 
6.8. O meu cônjuge está em casa em teletrabalho. Posso beneficiar do apoio excecional à família durante o encerramento das escolas?
Não. Em caso de um dos progenitores estar em teletrabalho o outro não pode beneficiar deste apoio excecional, mesmo que opte por ficar em casa. 
 
7. Trabalhadores de serviços essenciais
 
7.1. O que são trabalhadores de serviços essenciais?
São trabalhadores de serviços essenciais os profissionais de saúde, das forças e serviços de segurança e de socorro, incluindo os bombeiros voluntários, e das forças armadas, os trabalhadores dos serviços públicos essenciais, de gestão e manutenção de infraestruturas essenciais, bem como outros serviços essenciais, cuja mobilização para o serviço ou prontidão obste a que prestem assistência aos mesmos, na sequência da suspensão prevista no artigo anterior.
 
7.2. Como são mobilizados?
Os trabalhadores de serviços essenciais são mobilizados pela entidade empregadora ou pela autoridade pública.
  
7.3. Que apoio têm estes trabalhadores para acolhimento dos seus filhos?
Em cada agrupamento de escolas está identificado um estabelecimento de ensino que promove o acolhimento dos filhos ou outros dependentes (entre os 3 e os 12 anos) dos trabalhadores de serviços essenciais. Consulte a lista aqui
Trabalhadores Independentes
DIREITOS DOS TRABALHADORES INDEPENDENTES
 
Perguntas frequentes e respostas que visam ajudar a garantir o respeito pelos direitos dos cidadãos em situação de Trabalho Independente.
 
1. Quais as medidas de apoio em caso de redução da atividade económica do trabalhador Independente?
Apoio financeiro extraordinário à redução da atividade económica;
Diferimento do pagamento de contribuições.
 
2. Quais as condições para ter direito ao apoio extraordinário?
Estar abrangido exclusivamente pelo regime dos trabalhadores independentes;
Não ser pensionista;
Ter tido obrigação contributiva em pelo menos três meses consecutivos nos últimos 12 meses;
Estar em situação comprovada de paragem total da sua atividade, ou da atividade do referido setor, em consequência do surto do COVID–19.
 
3. Como comprovo a paragem total da atividade ou da atividade do referido setor?
Comprova a paragem total da atividade mediante declaração sob compromisso de honra ou, no caso de Trabalhadores Independentes em regime de contabilidade organizada, do contabilista certificado.
 
4. Qual o valor do apoio financeiro?
O valor do apoio é o da remuneração registada como base de incidência contributiva, com o limite máximo de 438,81 euros (o equivalente ao valor do IAS).  
 
5. A partir de quando e durante quanto tempo tenho direito a este apoio financeiro?
Tem direito ao apoio financeiro a partir do mês seguinte ao da apresentação do requerimento, pelo período de um mês, prorrogável mensalmente, até um máximo de seis meses.
 
6. No período em que estiver a receber o apoio financeiro tenho de pagar as contribuições?
As contribuições serão sempre devidas, mesmo quando estiver a receber o apoio financeiro. No entanto, pode pedir o adiamento das mesmas para depois da cessação do apoio.  
 
7. Quais as minhas obrigações enquanto se mantiver o apoio financeiro?
Apresentar a declaração trimestral, no caso de estar sujeito a essa obrigação.
 
8. Quando devo pagar as minhas contribuições?
A partir do segundo mês posterior à cessação do apoio. Estes valores podem ser pagos através de acordo prestacional, num prazo máximo de 12 meses em prestações mensais e iguais.

Cascais Digital

360_146x65mobi_146x65loja_146x65geo_146x65ambiente_146x65-01cultura_146x65jovem_146x65participa_146x65fix_146x65my_146x65