CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

A importância de “conhecer para gostar e proteger”

Convenção dos Direitos dos Jovens e Crianças assinalada em Cascais

O apelo à maior participação dos jovens na política pública foi a tónica nas intervenções no Fórum, realizado em plataforma digital, que assinalou os 31 anos de assinatura da Convenção dos Direitos da Criança, uma iniciativa que se insere no mês dos Direitos das Crianças e Jovens.

Este fórum, que foi transmitido na página oficial de Facebook da Câmara Municipal de Cascais e contou com a participação do presidente da autarquia, Carlos Carreiras, teve a intervenção de jovens de Cascais entre os 14 e os 19 anos e centrou-se em três questões: a importância da participação dos jovens nas políticas públicas, as consequências e as áreas preferenciais.

A qualidade das políticas públicas, por força da participação dos jovens, é uma das conclusões deste fórum, desde logo, referiu o presidente da Câmara, por ser “uma geração mais bem informada” e também por isso ”mais bem preparada” que se identifica com as questões mais candentes, como “os problemas da sustentabilidade”.  Uma geração que inscreve as preocupações ambientais na agenda pública e empresta à gestão autárquica uma visão mais próximas dos problemas que afetam essas novas gerações.

Maria Andrade, de 16 anos, defendeu a importância de “conhecer para gostar, porque só gostando se pode proteger”, numa alusão desde logo aos próprios direitos das crianças e jovens. Maria Andrade dá também o exemplo da intervenção cívica local: “Quanto mais se conhece o concelho, mais gostamos dele e mais sentimos necessidade de o proteger”, disse.

Neste mesmo sentido Carlos Carreiras sugeriria aos jovens visitas regulares ao Pisão ou, por exemplo, ao Centro de Interpretação da Pedra do Sal, em S. João do Estoril, a propósito da Área Marinha Protegida das Avencas.

No apelo à intervenção dos jovens nas políticas públicas Carlos Carreiras alertou para a importância dessa intervenção pública não ter de ser obrigatoriamente pelo engajamento partidário, uma ideia corroborada por Gonçalo Marques que reconheceu uma menor envolvência dos jovens nas intervenções político-partidárias. Ana Raimundo identificou também um conjunto de instrumentos, designadamente o Orçamento Participativo Jovem, bem como os vários programas de voluntariado, como uma boa porta de entrada para a participação cívica dos jovens.

Carlos Carreiras realçaria ainda a importância na intervenção cívica para a riqueza da diferença e da necessidade de “não fazermos tudo em competição, porque ganhamos muito mais se partilharmos”, concluiu.

 

Cascais Digital

360_146x65mobi_146x65loja_146x65geo_146x65ambiente_146x65-01cultura_146x65jovem_146x65participa_146x65fix_146x65my_146x65