CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

Está aqui

O centro geodésico da Quinta da Carreira

O ponto de partida são seis hectares de uma velha quinta que desde meados do século passado conheceu vários futuros, alguns deles não muito promissores. Mas, para os moradores da Quinta da Carreira, que lhe traçam agora um novo destino, ela promete ser uma espécie de centro da enorme comunidade que a rodeia. E como se acha o centro dessa comunidade?

Mais de uma centena de moradores convergiram, ao fim da tarde, para uma das entradas da Quinta da Carreira, seis hectares de uma área agrícola no centro de um bairro urbano. Por lá estava uma tenda que vaticinava a solenidade: O que vai ser daquele espaço verde? Carlos Guimarães, presidente da Associação de Moradores, o primeiro a pegar na palavra, jubilava desde logo pelo que aquele espaço “jamais será”, uma floresta de casas, como chegou a ser ponderado, num passado mais remoto. E só isso referia Carlos Guimarães, já seria razão de festejo. Na verdade, lembraria o dirigente associativo, há 50 anos, altura em que a pressão imobiliária apertava a autarquia de então “aprovava cerca de 55 mil metros quadrados de construção” e, adiantaria “só uma luta afincada e entusiasta dos moradores conseguiria que esse projeto não fosse para a frente, conseguindo que o Tribunal Administrativo chumbasse esse projeto.” Ainda assim, confessava, essa desventura não estava afastada de todo até que o terreno fosse adquirido pela autarquia.

Carlos Carreiras, presidente da Câmara de Cascais, explicava então esse passo decisivo: “Estarmos aqui é a confluência de duas situações que, à partida, nada tinha a ver uma com a outra”. E precisava que, por um lado a situação de proximidade da estação de comboios de S. João, a pressão nos moradores locais do estacionamento forasteiro, as exigências impostas pelas soluções de mobilidade que estão a ser implementadas, tudo aponta para aquisição do terreno onde hoje se encontra o Parque de Estacionamento da Quinta da Carreira. Ora, referia Carlos carreiras, “todo o restante terreno estava na massa falida de uma empresa” e, acrescentou, “foi possível comprá-lo” por 1,9 milhões de euros. Assim, confirmaria Carlos Guimarães, seria dada a machadada final nessa perspetiva de futuro mais negro para esse outro terreno que em breve passará a ser o Parque da Quinta da Carreira.

Garantida a salvaguarda dos valores ambientais e históricos da velha Quinta, Carlos Carreiras modera o entusiasmo com a importância do próximo passo, ou seja, adaptar a Quinta às suas novas funções, servir uma comunidade que procura reconhecer-se naquele espaço verde. Daí que implantar ali o verdadeiro centro geodésico da comunidade é um desenho complexo cujo projeto, garantiria Rui Peixoto, responsável pelos Espaços Verdes da Cascais Ambiente, “não está fechado e aceita mais sugestões”.

Veja aqui o projeto do Parque Urbano Quinta da Carreira

Mais sugestões para: geral@cascaisambiente.pt

 

 

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisccbanner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais