CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

mais pessoas

Michael Cunningham
Michael Cunningham“Cascais salvou o meu próximo livro ...
Garrett Macnamara
Garrett Macnamara“Vejo cada vez menos criaturas ...
João Miguel Henriques
João Miguel HenriquesEntrevista sobre o livro “Cascais: ...
Carlos Neto
Carlos Neto “É preciso tirar as crianças do sof ...
Lourdes Faustino
Lourdes Faustino“Oito dias antes de ser reformada ...

Está aqui

Christoph Kroeger

A sustentabilidade na 52 SS Sailling Week. É o gestor de Operações de Sustentabilidade da 52 Super Series, uma classe de iates monocasco que impõe respeito com os seus mastros de 22 metros de altura. Têm presença obrigatória em Cascais, um dos melhores campos de regata do mundo e, desde 2015 que implementaram uma estratégia de sustentabilidade ambiental. Cristoph Kroeger esteve em Cascais de 15 a 20 de julho, com a 52 Super Series Sailling Week e explica o que fazem e como se consegue que uma regata que movimenta só em tripulações mais de 200 pessoas de mais de 20 países seja mais amiga do ambiente.

Desde quando é que começaram a preocupar-se com as questões ambientais e sustentabilidade do evento? E porquê? Nós preocupamo-nos com as questões ambientais desde 2014 e iniciámos medidas de sustentabilidade no final de 2015. Desenvolvemos uma parceria com a 11ª Hour Racing, em 2015, que com o seu apoio e experiência foi possível avaliar a nossa performance e começar a desenvolver uma estratégia de sustentabilidade, como um plano de ação e uma política para a sustentabilidade.

Quais as vossas principais áreas de atuação? São variadas as nossas ações. Tentamos rejeitar todos os plásticos de uso único e no final de cada evento calculamos e compensamos as emissões de CO2. As principais medidas abrangem áreas ao nível do sistema de purificação de água, envolvimento juvenil, compostagem, colaboração com Organizações Não Governamentais, ações de limpeza subaquática e costeira (em Cascais estivemos com a Sailors for the Sea e a Escola de Vela do Clube Naval de Cascais), uso de produtos amigos do ambiente e recicláveis, Kit de separação de óleo, certificação ISO, redução do desperdício de comida, entre outras.

A escolha do local da prova segue critérios de sustentabilidade? É claro que adoramos ir para locais já sustentáveis, mas temos critérios para o processo de seleção. Nós consideramo-nos influenciadores e, quando escolhemos um local para o nosso evento, ainda durante o contrato de negociação com o local de estadia, reafirmamos um forte compromisso de sustentabilidade. Em seguida, solicitamos que os locais estejam em conformidade com os nossos requisitos de sustentabilidade e estão, na grande generalidade, relacionados com o tipo de gestão de resíduos que fazem, sobre o abastecimento da água e produção de alimentos de origem local.

Consegue explicar-nos se existe adesão dos vossos atletas em temas de sustentabilidade? E que ações em específico pretendem desenvolver na prova de Cascais? Para além das iniciativas já indicadas organizamos uma Happy Hour Sustentável logo depois da partida. Esta quinta-feira tivemos connosco a defensora dos oceanos Emily Penn (11ª Hour Racing), que deu uma palestra sobre saúde e poluição dos oceanos. Além disso, só servimos comida local num raio de 20 quilómetros, por exemplo, o o marisco que foi servido é certificado. Colaboramos com a Sailors for the Sea e durante a semana realizámos uma limpeza subaquática com os nossos mergulhadores e outros voluntários. Desenvolvemos ainda esta quinta-feira uma limpeza de praia com crianças da Escola de Vela local com uma ação de educação ambiental sobre a importância em proteger o Ambiente. Tentamos fornecer algumas soluções de limpeza da Ecoworks Marine a toda a frota.

Como envolvem os vossos stakeholders e parceiros? Nós trabalhamos com os nossos stakeholders constantemente e tentamos envolvê-los ao máximo. Quando contactamos as equipas de vela, estabelecemos um programa de embaixadores da sustentabilidade. Cada equipa participante deve indicar um membro antes do início da prova e, durante cada regata, reunimos os vários embaixadores para discutir novas iniciativas e ideias. Foi muito desafiante no começo, mas agora transformou-se num grupo de trabalho e a maioria das iniciativas são sugeridas pelas equipas. Também oferecemos conhecimento e partilhamos experiências com os parceiros, tentando sensibilizá-los com a maior frequência possível. Por exemplo, antes de cada evento ofereço um guia de sustentabilidade específico para cada evento e local com tudo o que está relacionado com as medidas de sustentabilidade implementadas na iniciativa. Em geral, consideramos que precisamos de fornecer soluções mais cómodas e fáceis de executar, para as pessoas poderem assim sair da sua zona de conforto.

Fale-nos um pouco sobre o vosso sistema de água... O nosso sistema de água é um sistema de osmose reversa, que purifica a água a nível molecular. À água, depois de purificada pelo sistema, adicionamos sais minerais, porque este processo de purificação remove naturalmente alguns minerais. Este sistema é capaz de purificar 7.000 litros de água e utiliza menos 30% de água em comparação com outras máquinas de osmose reversa que existem no mercado. Ao contrário de Cascais, existem locais onde a água da torneira é realmente de má qualidade. Por outro lado, ao fornecermos um sistema de água como o nosso, fazemos com que os nossos marinheiros se recusem a usar garrafas de plástico. A água é fornecida em garrafas reutilizáveis para todos os participantes, incluindo a equipa da organização.

Qual o feedback que recebem? Recebemos muitos comentários durante o evento, mas também nas redes sociais, uma vez que comunicamos bastante as nossas ações. Na generalidade, o feedback é muito positivo e sentimos que precisamos de dar o exemplo.

 

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisccbanner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais