CONTACTOS
Fale connosco
800 203 186
Em rede

mais pessoas

Jonathan Coe escreve último livro em Cascais
Jonathan Coe escreve último livro em CascaisO autor do bestseller "O Coração de ...
Michael Cunningham
Michael Cunningham“Cascais salvou o meu próximo livro ...
Christoph Kroeger
Christoph KroegerA sustentabilidade na 52 SS Sailling ...
Garrett Macnamara
Garrett Macnamara“Vejo cada vez menos criaturas ...
João Miguel Henriques
João Miguel HenriquesEntrevista sobre o livro “Cascais: ...

Está aqui

David Levy Lima

David Levy Lima reside no concelho há 44 anos - dois terços de uma vida, que tem sido dedicada à pintura. Chegou a Lisboa em 1963, vindo de Santo Antão, Cabo Verde com intenção de acabar os estudos, mas acabou seguindo o caminho dos autodidatas. O seu talento tem raízes familiares e dois dos seus irmãos – Abraham e Miguel – são também artistas plásticos, ambos com ligações ao concelho de Cascais.

Em 1968, David muda-se para o Murtal e pinta na sua loja-atelier em São Pedro do Estoril. Quem vem pela marginal em direção a Cascais não pode deixar de ver
as telas que, do lado direito se espalham pelo passeio junto a um estabelecimento, logo depois da rotunda que divide São Pedro e a Parede. É a oficina do artista, um espaço recheado de cor e memórias - sob a forma de catálogos de exposições, livros de arte, biografias de pintores, e muitas telas, sobretudo as suas próprias pinturas a óleo, umas de criação própria, outras nascidas por encomenda.


Retratam pedaços de paisagens, as ruas com gente, a enseada da Casa de Santa Maria, as arribas da costa, promontórios, vales e montanhas cabo-verdianas, mas também retratos de músicos, crianças em roda, a baía de Cascais com pequenos barcos, pormenores dos bairros de Lisboa antiga, os elevadores, o Terreiro do Paço visto do rio, cacilheiros…
 


Em quase todos os quadros há a constância de um azul tranquilo, em vários matizes, completado com pinceladas de cores quentes, traços espessos e finos, que
definem a sua pintura. “Pinto húmido sobre húmido, não deixo secar”, adianta. A desarrumação do espaço onde trabalha, atolado de documentação tão variada, pinceis, telas virgens, frascos, jornais, não intimida os visitantes – muitos estrangeiros - que perguntam pelo preço de um quadro ou questionam o artista sobre o paradeiro de uma tela que lhes ficara na memória. O pintor não sabe o paradeiro de muitas obras, levadas por curiosos e colecionadores que passam por Cascais.
 


O homem e a natureza formam uma unidade na pintura de David Levy Lima que, em 2010, integrou uma exposição de pintura de artistas de Cabo Verde, patrocinada pelo Ministério da Cultura. O artista plástico é descrito no catálogo como “um pintor de finíssima têmpera que tem trilhado a senda do impressionismo de uma forma magistral e triunfal”. Como se nas suas obras, impressionismo e abstrato funcionassem numa dialética, que advém de uma “técnica apurada e depurada expressividade”, em que uma paisagem humana vista de longe, por exemplo, emite profundidade e perspetiva em infinitos pormenores.


No currículo do pintor não têm conta as exposições individuais e coletivas, em Portugal e no estrangeiro. David Levy Lima conta ainda com diversos prémios e distinções, mas guarda com particular emoção o convite que recebeu da China como artista convidado. Durante três semanas recrearam-lhe o ateliê para que desse largas ao talento… No baú das boas memórias David Levy Lima conta a participação em “The art of tolerance” uma exposição coletiva promovida pelo município de Berlim, em que artistas de todos os países pintaram, a seu modo, o famoso urso símbolo da cidade.
 


Pintura - reforça o artista sobre a expressão das suas telas - “é emoção, sentimento, instinto. Qualquer quadro começa aqui [na mente].” Olham-se as telas e “as escritas, as grafias” do pintor são outras, ainda que o azul permaneça. No processo criativo, há, por vezes, o crivo das obras feitas por encomenda, que o artista não desdenha: “Com as encomendas há uma disciplina interior para abordar os temas que talvez não goste tanto, mas obrigam-me a investigar, a estudar”.
 


Apesar de várias obras serem vendidas a quatro dígitos, o artista plástico confessa-se “um teso” e justifica: “compro muito material, tenho pavor de não ter material!” . E, não tendo agente (não gostou das duas experiências em que teve) ele próprio trata de toda a logística da arte, passando hoje uns 25% do tempo a pintar. O método é aparentemente simples: o momento, a emoção de cada momento calibra o traço e a paleta do artista, num percurso que
o próprio diz que faz “da generalidade para a especificidade, de uma forma aberta vou traçando uma rota”. Porque o essencial, reflete, “é a determinação em fazer as coisas; porque há quem possa e não queira; e há quem faça mais do que se espera ou que pode, apenas porque quer”.

Cascais Digital

banner_cascais_0banner_cascaisambiente_0banner_cascaisparticipa_0banner_cascaisjovem_0banner_cascalitosbanner_lojacascaisccbanner_geocascaisbanner_agendacascaisbanner_fixcascais